terça-feira, outubro 16, 2007

A bandeira da nação mirandesa.

Tiêrras de Miranda, um território carregado de simbolismo, já merecia algo que mostra-se a sua individualidade neste Portugal dos pequeninos, nesta Europa algargada, neste mundo global. Por isso, directamente da raia das nossas terras, mais precisamente do blog de cicuiro , chega até nós a ideia de criar a bandeira da nação mirandesa. Vários modelos são propostos. E tu vais puder entrar nesta votação e escolher a bandeira que mais identifica o nosso território, o nosso povo e a nossa cultura.
1)
2)
3)
VOTA!
A nação mirandesa
conta contigo.
Agarra-me estes Palos!

14 comentários:

youraposa disse...

Ora que Dius mos dê buonas tardes!
Gustei de la eideia de criar ua bandeira para las tierras de Miranda, mas porque nó abrir lhugar a la criatibidade de las pessonas i criar tipo un concurso onde todas las pessonas puodan fazer la sue bandeira, mandar para alguien i apuis punir todas an botaçon? Acho que serie ua buona ouportunidade para toda la giente dar lhargas a la sue eimaginaçonm i participar mais actibamiente, quei achais?
Cun las melhores saudaçones,
Raposa.

Tiêgui disse...

A pus inda serie melhor assi ! Pensa tu tamien nua bandeira !

Anónimo disse...

Al que you quiero dezir yê qu'essa bandeira solo yê ua prepuôsta, purque acho you qu'eilha yê neçaira.

Las cores nada tenen ha ber cun Spanha, cada ua representa la paç, la guerra i las riquezas.

Los botos son anterssantes purque los que botan ne las bandeiras cun los scudos yê purque tenen un prefundo sentimiento de ser Purtuês. Los que botan pa la terceira son los que quieren ber mudar las cousas.
Nal miu blog los resultados son cumpretamiente çfrentes, son al cuntrairo ! Isso splicas an parte purque tengo alguas "besitas Sturianas", mas tamien purque los que ben ha ber al miu blog son algo mas biêlhos y anton pensan d'outra maneira.

You puse los scudos pra mustrar que los Mirandêses cunbatiren pra Purtual y pra Miranda.

Abraços.

Anónimo disse...

Essas bandeiras són anteressantes!!!
Ay dfréncias antre las botaçones ne los dous blogs se calha por uã rezón:
You se houbisse naçido an Angueira nun botariê nas dues purmeiras.
Na Bila tamiên se fala mirandés.
Acho que yê más por al grafismo e por la abrangéncia que ne loutro blog la terceira tén más botos.

Abelhón

Anónimo disse...

Tenei ju�zo cun isso de la na�on mirandesa. Adonde nun hai giente, que creis fazer?
Inda se falasades an juntar este cachico cun spanha, mui bien...

Anónimo disse...

Naçón mirandesa nó! Cuncéncia mirandesa sí.
E ajuntar a spanha cumo? falar castelhano? Galhego? Asturiano? Andalhuç? ...
... Inda hai dous ou trés dies bi uã reportaige de la orquestra galhega e falaban castelhano!!
Al porblema nun yê la falta de gente! Yê la pouca gente nuoba que ay daprander solo a falar fidalgo!
Falai mirandés!
Para mi tamiên yê la sigunda lhéngua.

Abelhón

Nando - Pauliteiros de Miranda do Douro disse...

Quem me dera saber escrever mirandês! Falar sei alguma coisa... desenrasca! Mas não tenho o estudo do mirandês necessário para escrever um blog sem que fossem sucessivamente apontados uma meia dúzia de erros.

Esta é uma das razões pelas quais não o escrevo na nossa língua!

Quando souber escrever mirandês correctamente, como tento escrever o português então o escreverei na língua das nossas gentes...

Peço assim, desculpa por não escrever este blog em mirandês, mas até ao momento não consegui encontrar ninguém que deseja-se traduzir os nossos textos para mirandês.

Esta é outra das razões...

E na minha opinião é puro facilitismo afirmar-se que basta ler-se a convenção para se saber escrever o mirandês. Uma língua como quase tudo, se não tudo na vida deve ser estudada por aqueles que a adoptam e dela querem fazer uso corrente.

Por fim a nação mirandesa, a consciência mirandesa, ou seja neste caso específico, a BANDEIRA DE TIERRAS DE MIRANDA quer apenas significar que na nossa terra devemos ter orgulho da nossa cultura, do nosso povo, da nossa língua, pois o quanto tão diferentes elas são do resto país.

Aqui não se fala de independência, nem nada do género... mas de um símbolo que possa ajudar a unir as gentes do planalto mirandês!

Se alguém quiser contribuir com outros símbolos, entenda-se bandeiras, ou com outras formas de representar a nossa identidade então contribuam para o debate e ajudem-nos a encontrar uma solução

Mais uma vez peço desculpa por não escrever em mirandês. Mas só gostava que no futuro ninguém se envergonha-se, tal como eu, de não saber escrever mirandês.

Talvez o ensino obrigatório da língua fosse uma futura solução?!

Sem mais,
Fernando Silva
Saudações Mirandesas!

Topo disse...

Tal como Amadeu Ferreira publicou no Jornal Nordeste em 16/10/2007 (http://www.jornalnordeste.com/index.asp?idEdicao=189&id=7806&idSeccao=1783&Action=noticia) a lhéngua tem sido vítima de muitos contratempos... Um dos maiores é sem dúvida as diferentes formas de ser escrita/falada mesmo após a Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa ter sido publicada e infelizmente nem todos os que participaram nesse crucial documento cumprem os seus desígnios. Logo aí se pode ver a gravidade do problema. No entanto nesse artigo, Amadeu Ferreira alerta para algumas situações que a meu ver são vitais para a difusão da lhéngua e consequentemente sua maior utilização tal como o uso da lhéngua pelas instituições (não só a nível de placas toponímicas) e a CMMD deveria também utilizar a lhéngua mais amiúde e não apenas "quando o rei faz anos" para dizer que temos uma lhéngua! Sem dúvida que a criação de uma Fundação com reais poderes sobre a lhéngua para que fizesse cumprir a convenção e legislar sobre o ensino da mesma, seria o passo mais importante para a real difusão da lhéngua. Mas enquanto se continuarem a financiar com dinheiros públicos (por ex. da autarquia) a publicação de obras que não cumprem com a Convenção, em vez de dar um passo em frente estaremos sempre a dar 2 ou mais passos atrás. Haja unidade na Nação Mirandesa!

Tiêgui disse...

Sim o artigo esta interessante...mais a convenção so diz como escrever... nao como falar ! Falar a três maneiras.

E peço desculpa ao Nando em que um dia estavamos falando do Mirandês e ele la me sacou uma palavras em Mirandês central que não tardei a corregir porque para min não se diziem assim ! De facto ele tinha razão na maneira em que as escrevia...
So para dizer que a varias maneiras de falar.
Na escrita, para min é muito estranho usar "lh" e "nh" porque são de origem Occitana, uma antigua lingua da França. Essa maneira de escrever encontra-se no Português porque na idade média depois da independencia de Portugal, o pais tinha de se diferenciar com Espanha, o seja de ter amizades com França e mais precisamente com a Occitania, onde se falava Occitan, lingua com sonoridades muito parecidas com as Portuguêsas.

Anónimo disse...

Não sei se quem foi o inventor da bandeira. Mas ao menos podia ser original. Grande parte do desenhos desta bandeira,pertecem a bandeira da freguesia de duas igrejas... Sejam originais...

Al que la dezenhou disse...

çculpa ! Tenes rezon !

Anónimo disse...

boas , peço desculpa de só escribir fidalgo , a ideia da bandeira é muito boa , pois assim teriamos algo para por em camisolas , autocolantes nos carros ecran de computadores e muito mais , e desta maneira mostrar Miranda e promover o turismo, uma ideia para a bandeira o para um simbolo da nação mirandesa o menino jesus da cartolinha em capa de honras, mas façam um concurso

abraço

tiago beça sanches da gama

Anónimo disse...

Idea muito boa.

Tonux disse...

You cuncordo cul'ideia dua bandeira de la eidentidade mirandesa. Ye, sin dubida, ua region de Pertual, çtinta ne'l tocante a la lhéngua i a la cultura an general. Ye possible eisistir nun solo paíç barias naciones/eidentidades. Miranda ye Pertual, mas tamién ua eidentidade andrento de Pertual. Tamién stou d'acuordo cun alguén que dixo que ls digramas 'lh' i 'nh' nun son eibéricos, mas si oucitanos. Debria screber-se cun 'll' i 'nn', cun respeito al lhatin i a la tradiçon eiberica. Para yá, la lhéngua fidalga nun eisiste. Será melhor chamar-la de Pertués, qu'ye'l más correto.

Salude i eidentidade.